segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

VOCÊ SABE O QUE É ARTE NAIF? CONHEÇA ESTE TIPO DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA ORIGINAL E TOCANTE



O QUE É ARTE NAÏF?

O desejo espontâneo de desenhar e pintar existe desde os primórdios da civilização humana, sendo o seu mais reconhecido exemplo as “pinturas rupestres”.
O termo Arte Naïf foi utilizado pela primeira vez no virar do século XIX para identificar a obra de Henri Rousseau, pintor autodidata admirado pela vanguarda artística dessa época, que incluía gênios admiradores como Picasso, Matisse, Paul Gauguin, entre outros.







Com esta gênese, a Arte Naïf começou a afirmar-se como uma corrente que aborda os contextos artísticos de modo espontâneo e com plena liberdade estética e de expressão e os seus seguidores definem-na hoje como “a arte livre de convenções”.

















A Arte Naïf é concebida e produzida por artistas sem preparação acadêmica específica e sem a “obrigação” de terem de utilizar técnicas elaboradas e abordagens temáticas e cromáticas convencionais nos trabalhos que executam. Isto não significa que não estudem e aperfeiçoem de modo autodidático e experimental o desenvolvimento das suas obras, e não implica que a exigência de qualidade das mesmas seja inferior.

A capacidade artística é um dom inato no ser humano e não existem técnicas, regras ou dogmas que, quando ele, o dom, realmente está presente, lhe possam atrofiar qualidade e retirar seu valor.








De Tarsila do Amaral a Cândido Portinari, o Brasil possui grandes destaques no cenário da pintura nacional, seguindo técnicas do expressionismo, cubismo, modernismo, entre outras. Hoje, o Brasil tem sido destaque também no traço naïf, junto à França, Itália, Haiti e na região da antiga Iugoslávia.

O termo naïf vem do latim e quer dizer "nativus", aquilo que é natural. Este movimento artístico é sinônimo de arte ingênua, original, popular, instintiva. A tradução da palavra naïf em francês é ingênuo. No Brasil, este movimento cresceu a partir de 1937, com os pintores Heitor dos Prazeres, Cardosinho e Chico da Silva. Na França, Henri Rousseau é considerado o primeiro dos naïfs modernos.
Destaque atual no Brasil, o artista plástico Gerardo da Silva surpreendeu os franceses com sua arte naïf no ano de 2007, ao expôr suas obras em homenagem aos 100 anos do avô, seu grande incentivador, o premiado pintor Chico da Silva, mais significativo representante deste estilo no Brasil


















A Arte Naïf não se enquadra também na designação de Arte Popular, diferindo dela na medida em que se trata de um trabalho de criação individual que apresenta peças artísticas únicas e originais.
Caracteriza-se em termos gerais por uma aparente simplicidade e pela liberdade que o autor tem para relacionar ou desagregar, a seu bel prazer, determinados elementos considerados formais; a inexistência de perspectiva, a desregulação da composição, a irrealidade dos fatos ou a aplicação de paletas de cores chocantes. 

























A Arte Naïf exprime ainda, de um modo geral, alegria, felicidade, espontaneidade e imaginários complexos, resultando, às vezes, todo este conjunto numa beleza aparentemente desequilibrada mas sempre muito sugestiva.













Alguns críticos afirmam que, contrastando com os “ acadêmicos”, que pintam com o cérebro, os “ingênuos” pintam só com a alma. Esta parece ser a verdadeira essência do Naïf, claramente o estilo de quem já nasce com o dom de ser artista…






















O termo arte naïf aparece no vocabulário artístico, em geral, como sinônimo de arte ingênua, original e/ou instintiva, produzida por autodidatas que não têm formação culta no campo das artes. Nesse sentido, a expressão se confunde freqüentemente com arte popular, arte primitiva e art brüt, por tentar descrever modos expressivos autênticos, originários da subjetividade e da imaginação criadora de pessoas estranhas à tradição e ao sistema artístico. 

















A pintura naïf se caracteriza pela ausência das técnicas usuais de representação (uso científico da perspectiva, formas convencionais de composição e de utilização das cores) e pela visão ingênua do mundo. As cores brilhantes e alegres - fora dos padrões usuais -, a simplificação dos elementos decorativos, o gosto pela descrição minuciosa, a visão idealizada da natureza e a presença de elementos do universo onírico são alguns dos traços considerados típicos dessa modalidade artística.




























A história da pintura naïf liga-se ao Salon des Independents [Salão dos Independentes], de 1886, em Paris, com exibição de trabalhos de Henri Rousseau (1844 - 1910), conhecido como "Le Douanier", que se torna o mais célebre dos pintores naïfs. Com trajetória que passa por um período no Exército e um posto na Alfândega de Paris (1871-1893), de onde vem o apelido "Le Douanier" (funcionário da alfândega), Rousseau dedica-se à pintura como hobby. Pintor, à primeira vista, "ingênuo" e "inculto", pela falta de formação especializada, dos temas pueris e inocentes, é responsável por obras que mostram minuciosamente, de modo inédito, uma realidade ao mesmo tempo natural e fantasiosa, como em "A Encantadora de Serpentes", 1907. Seu trabalho obtém reconhecimento imediato dos artistas de vanguarda do período - como Odilon Redon (1840 - 1916), Paul Gauguin (1848 - 1903), Robert Delaunay (1885 - 1941), Guillaume Apollinaire (1880 - 1918), Pablo Picasso (1881 - 1973), entre outros -, que vêem nele a expressão de um mundo exótico, símbolo do retorno às origens e das manifestações da vida psíquica livre e pura. 





















A arte naïf brasileira reflete o país tropical, generoso em sua vegetação e diversidade cultural entre as regiões e o povo que o compõe, fazendo com que ela tenha um lugar de destaque no cenário mundial.
Isto torna as obras muito procuradas, especialmente por estrangeiros, incentivando o aparecimento de imitações. Embora pareça fácil imitar um quadro naïf, principalmente para quem domina técnicas pictóricas, os imitadores acabam se traindo, pela falta da característica da ingenuidade e da naturalidade desta arte.
O artista naïf é livre para expor sua criatividade da forma como lhe convenha. Acredita-se que esta técnica foi usada pelos homens das cavernas, que expressavam livremente o que observavam no seu cotidiano, através das pinturas na parede.
O pintor coloca na tela o que sente, sem se preocupar se os traços estão perfeitos, pois não observa padrões eruditos, o que faz com que a obra seja autêntica, natural e fale por si só. Ao olhar para uma tela naïf, tem-se a sensação de entrar em contato com a criança interior que existe em cada um de nós.










Se em sua origem essa modalidade é definida como aquela realizada por amadores ou autodidatas, o processo de reconhecimento e legitimação obtidos nos circuitos artísticos leva a que muitos pintores, com formação erudita, façam uso de procedimentos caros aos naïfs. Além disso, a arte naïf desenha um circuito próprio e conta com museus e galerias especializados em todo o mundo. 















No Brasil, especificamente, uma série de artistas aparece diretamente ligada à pintura naïf, como Cardosinho (1861 - 1947), Luís Soares (1875 - 1948), Heitor dos Prazeres (1898 - 1966), José Antônio da Silva (1909 - 1996) e muitos outros. Entre eles, ganham maior notoriedade: Chico da Silva (1910 - 1985) - menção honrosa na 33ª Bienal de Veneza - e Djanira (1914 - 1979). Aluna do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, Djanira completa sua formação com aulas de Emeric Marcier (1916 - 1990) e Milton Dacosta (1915 - 1988), seus hóspedes na Pensão Mauá, no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Nos anos 1950, ela é artista consagrada e uma das lideranças do Salão Preto e Branco. A arte popular do Nordeste brasileiro - as xilogravuras que acompanham a literatura de cordel e as esculturas de Mestre Vitalino (1909 - 1963) - figura em algumas fontes como exemplos da arte naïf nacional.

















O trabalho também se caracteriza pelo autodidatismo e pelo uso de técnicas rudimentares adquiridas de forma empírica, com liberdade de criação e clara ausência de aspectos formais de composição, perspectiva e reprodução real de cores. Para os especialistas no assunto, é uma pintura individual e apresenta criações únicas e originais, transcendendo aquilo que conhecemos como arte popular.
O poder de comunicação direta de uma tela naïf com o público é muito grande e isto se deve tanto à simplicidade pictórica, quanto aos temas recorrentes, como o folclore, a religião, o universo onírico e lúdico. Nas obras dos pintores brasileiros são usadas representações do futebol, carnaval, festas populares, galos, tatus, faisões, crianças empinando pipas, circos, noivas, entre outras.
Trata-se de uma arte predominantemente alegre, rica em cores vibrantes, variada em detalhes devido à riqueza de elementos que retratam nosso país. Nas telas brasileiras encontra-se a vida do nosso povo, expressada por pintores de todas as classes sociais, que usam da criatividade para achar soluções e executar seus trabalhos.






































Um comentário:

Julio Silvio de Souza Bueno disse...


Muito bonito o blog, sou admirador da pintura primitivista. Tenho incentivado minha neta para que adote esse tipo de pintura

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...