domingo, 5 de março de 2017

CAETANO VELOSO PARA INGLÊS VER E CANTAR






































SOZINHO - SO LONELY




 













































IT'S A LONG WAY     -   ( Caetano Veloso)



Olivia Broadfield






























IT'S A LONG WAY    -    ( Caetano Veloso )



Olivia Broadfield



Woke up this morning
Singing an old Beatles song
We're not that strong my lord
You know we ain't that strong
I hear my voice among the others
Through the break of day

Hey brothers
Say brothers
It's a long, long, long... way
It's a long, long, long... way
It's a long and winding road (it's a long way)
It's a long and winding road (it's a long way)































THE  EMPTY BOAT 






Teho Teardo and Blixa Bargeld 






















































The Empty Boat   (Caetano Veloso)





From the stern to the bow
Oh; my boat is empty
Yes, my heart is empty
From the hole to the how

From the rudder to the sail
Oh my boat is empty
Yes, my hand is empty
From the wrist to the nail

From the ocean to the bay
Oh, the sand is clean
Oh, my mind is clean
From the night to the day

From the stern to the bow
Oh, my boat is empty
Oh, my head is empty
From the nape to the brow

From the east to the west
Oh, the stream is long
Yes, my dream is wrong

From the birth to the death



















































Cibelle and Devendra Benhart  -  London London 



























sábado, 4 de fevereiro de 2017













DERVIXES - UM RODOPIO PARA FORA DO EIXO COMUM









Conheça os dervixes rodopiantes da Capadócia







Eles são adeptos do sufismo, uma corrente mística dentro do Islã que acredita encontrar a perfeição na adoração a Deus.



Sema: a fascinante cerimônia dos dervixes rodopiantes.


Não é uma dança, como muitos pensam. É a cerimônia do “Sema” , um ritual místico de ascensão espiritual que simboliza o amor divino, a exaltação e o caminho para chegar a Deus. 







A ordem dos dervixes (ou mevledi) que rodopiam foi fundada pelo místico sufi  Mevlâna  Celaleddin  Rumi, um dos mais importantes poetas e pensadores da história do misticismo turco-islâmico. E o Sema, essa fascinante cerimônia, vem se realizando desde a sua morte, em 1273.  











Rumi acreditava que a música e o "rodopio" seriam um meio de conduzir o homem a um estado de êxtase que o levaria a se libertar da dor da vida diária.










Ao rodopiar, os dervixes erguem a mão direita para cima e a mão esquerda para baixo. Esses gestos das mãos significam que os dervixes tomam de Deus e o oferecem diretamente aos seres humanos. A roupa também tem seus símbolos: a ampla "saia" branca simboliza a mortalha do ego, o chapéu cônico representa a lápide do ego.









Em alguns, minutos chegam os dervixes para o começo da cerimônia, que é dividida em sete partes, cada uma com um significado. São aproximadamente 45 minutos de total concentração: o movimento típico dos pés, os giros, as saudações, a música envolvente. Naquele momento, é só o rodopio dos dervixes e a música inebriante pela improvisação do “Taksim” executado pela flauta “ney” (flauta de bambu). O som do instrumento “ney” expressa a nostalgia que sentia Mevlâna pelas terras de origem, onde cresciam os bambus.















Há muito mais por trás do rodopio, pois a história dos dervixes rodopiantes começa lá no século XIII, em Konya, com o teólogo Mevlana, cujos seguidores fundaram a ordem dos Mevlevi, ou dervixes rodopiantes.






Rodopiar para entrar em transe. 


É mais ou menos essa a ideia dos turcos que são chamados de “dervixes rodopiantes", religiosos na Turquia que rodam e rodam em torno do próprio corpo num ritual com música e vestimentas próprias e que acreditam que assim podem atingir o nirvana.










O islamismo tem um braço místico chamado Sufismo. Sufistas são pessoas que buscam encontrar o “divino” em rituais de meditação com orações, dança e música, para tentar uma comunhão direta e em êxtase com Alá (que é o Deus dos islâmicos). 









Uma das vertentes do Sufismo é a Mevlevi,  que é bem conhecida pois seus integrantes são os dervixes rodopiantes, que rodopiam para entrar em transe, usando "saias" longas e coloridas e uma espécie de turbante na cabeça.


A “dança” dos dervixes rodopiantes (em inglês, whirling dervixes) é chamada de Sema, que é a busca por Deus e pela verdade, do amor e união com Deus.














Os desenhos de Evgeni Koroliov deixam o observador estupefato com seu realismo.

















As imagens gráficas criadas por Evgeni Koroliov têm uma presença física impressionante e ao mesmo tempo possuem uma translucidez quase metafísica que se  incorpora em desenhos de filigrana. 



















EVGENI KOROLIOV, ARTE INSPIRADA POR FILMES E MÚSICA












Evgeny Korolev  nasceu em Pinsk, Belarus. Ele atualmente vive em Minsk e trabalha como artista, ilustrador e designer gráfico. Eugene estudou desenho acadêmico e pintura na VSU, em 2009 recebeu o grau de bacharel em Belas Artes e um ano depois fez um curso de mestrado em História da Arte. 



















Evgeny Korolev  nasceu em Pinsk, Belarus























Ao ver os retratos de Evgeni Koroliov, o observador fica, em primeiro lugar, estupefato com o realismo do desenho e, em segundo lugar, perplexo com sua habilidade natural para fazer a movimentação do lápis e criar sua visão de mundo e ao mesmo tempo retratar os seres como se eles tivessem uma vida real, um fôlego. 




























Você olha para eles, com medo de virar e inadvertidamente perder algum movimento de pestanas ou gesto de mãos, pois a impressão que se tem é que, a qualquer instante, eles poderão respirar, mover ou sair de um estado sonolento. 



























Inspirado por filmes clássicos, o próprio artista, por vezes, parece  desempenhar o papel de um diretor que dirige seus personagens em uma cena cinematográfica - porque eles são tão convincentes, tão reais que parecem estar prontos para vir à vida e atuar na cena imaginada.















































"Meus desenhos são emoções congeladas que eu simplesmente amo desenhar. Quero fazer uma grande galeria de obras como esta. A música é minha melhor inspiração. Acho que cada um dos meus desenhos pode ser associado a um determinado álbum ou música. Por exemplo, Ivo é o título da primeira música de "Treasure" de Cocteau Twins. Eu sempre escutava esse álbum quando estava fazendo estes retratos em meu trabalho. Agora eu estou escutoando muita música clássica de diferentes épocas, espero que isso me inspire em algumas experiências novas."



Evgeni Koroliov












































Os desenhos de Evgeni Koroliov deixam o observador estupefato com seu realismo. 























































































































































































































terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Se Assoprar Posso Acender de Novo - Inéditas de Adoniran Barbosa nas Vozes de Grandes Artistas















Se Assoprar Posso Acender de Novo - Inéditas de Adoniran Barbosa nas Vozes de Grandes Artistas









Se Assoprar, Posso Acender de Novo é uma fala clássica de Adoniran Barbosa. O maior ícone do samba paulista lançou essa frase na música “Já Fui Uma Brasa” já no final de sua carreira, quando os ritmos da jovem guarda ameaçavam tomar o lugar do samba no cenário musical brasileiro. E Adoniran estava certo. Sua brasa foi assoprada em 2016, quando o selo DaFne Music gravou as partituras de música inéditas do cantor e compositor.






 















Capa do CD /DVD




O produtor musical Lucas Mayer mergulhou no universo do artista, que agora reacende em meio às comemorações de 100 anos do samba com um disco de inéditas de Adoniran Barbosa. Mas não se trata de um disco puramente de samba. Sua sonoridade é tão plural quanto o time escalado para interpretar cada uma das 13 canções de Adoniran Barbosa: 

Ney Matogrosso, Criolo, Fernanda Takai e a dupla folk Versos Que Compomos na Estrada são alguns dos intérpretes que fizeram a poesia de Adoniran se aventurar por outros caminhos. 




“Eu adaptei o arranjo para caber no estilo que cada um queria cantar”, afirma Lucas Mayer. Até porque, vale lembrar, o nosso protagonista não foi apenas um sambista, mas também um grande fã de tango e bolero."












“O álbum não é apenas um disco de Samba”, afirma Lucas. Isso porque o intérprete do personagem paulista João Rubinato não era apenas um compositor de Samba. “Suas poesias e crônicas falam de uma São Paulo em constante mudança com uma linguagem muito simples e tocante, que o fez transitar facilmente por diferentes públicos, e a superação é um tema muito recorrente nessas canções”, explica Pardini. 








Caricatura de Noel Rosa e Adoniran Barbosa







O artista encarava sua cidade como algo miscigenado e em tudo enxergava estórias, mesmo das coisas mais simples como sovar uma massa de pizza, ou de uma menina que passava por ele em uma fila da lotação.








Esse disco é sobre o que ele escrevia e como os artistas enxergam essas poesias com seus próprios olhos e ouvidos. “Meu papel foi roupar aquilo que saía pronto nas vozes de cada um, de cada interpretação que surgia daquelas frases do grande cronista”, finaliza Lucas.









O disco se tornou uma "miscigenação" musical, como o próprio Adoniran fez com a cultura paulistana. Levou-se em consideração ritmos musicais admirados pelo compositor como tango, valsa e bolero, juntamente com a influência dos próprios artistas convidados, que trouxeram identidade própria ao disco.













CD e DVD com canções inéditas de Adoniran Barbosa são lançados 34 anos após morte do compositor






00:00 - O ROSTINHO DE MARIA (Adoniran Barbosa e Pepe Avila) FERNANDA TAKAI E LEO CAVALCANTI

02:17 - NINGUÉM PODE NEGAR (Adoniran Barbosa e Portinho) EDUARDO PITTA

05:39 - SÓ VIVO DE NOITE (Adoniran Barbosa e Paulinho Nogueira) ANA JULIA E KIKO ZAMBIANCHI

08:22 - O SOL E A LUA (Adoniran Barbosa e Zaé Júnior) DIOGO POÇAS

10:31 - O BARZINHO (Adoniran Barbosa e Renato Luiz) LINIKER

12:33 - NAQUELE TEMPO (Adoniran Barbosa e Serafim Almeida) VERSOS QUE COMPOMOS NA ESTRADA

16:07 - PASSOU (Adoniran Barbosa e Pepe Avila) NEY MATOGROSSO

19:48 - ATÉ AMANHÃ (Adoniran Barbosa e Wilma Camargo) CRIOLO

22:14 - PROCISSÃO DE AMOR (Adoniran Barbosa e Maximino Parize) GURI E GERO CAMILO

25:21 - FOI NA MOSCA (Adoniran Barbosa e Chico) SIMONINHA E FUZZY SOUND SYSTEM

28:02 - RECEITA DE PIZZA (Adoniran Barbosa e Jorge Costa) MAURÍCIO PEREIRA

30:17 - ENCALACRADO (Adoniran Barbosa) MARCO MATTOLI E FABIANA COZZA

32:54 - O MUNDO VAI MAL (Adoniran Barbosa e Antônio Rago) ESTEVÃO QUEIROGA E YASSIR CHEDIAK


35:28 - MESSIAS (Adoniran Barbosa e Copinha) LULINHA ALENCAR, GABRIEL SELVAGE E NICOLAS KRASSIK















O Rostinho de Maria ( Adoniran Barbosa ) - Fernanda Takai e Leo Cavalcanti
















Naquele Tempo ( Adoniran Barbosa/ Serafim Almeida )



 













Até Amanhã ( Adoniran Barbosa e Wilma Camargo )



 











Passou ( Adoniran Barbosa e Pepe Ávila ) - Ney Matogrosso
















Estátua de Adoniran Barbosa em Valinhos 














LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...