quarta-feira, 27 de julho de 2011

Don't Try ( Para Bukowski )










Um saxofone gemendo na noite fria
alivia o que ali havia de dor
mas anuncia rouco que o beco da noite
há de ser longo e mouco


Beco eco seco:
o soco da solidão
na poça de água turva
curva toda razão


A lua amante da rua
lambe garrafas e seus cortes
o suor acre do medo
é tredo delator


O etílico fantasma
da depressão
chapado cão de merda
ergue mais um brinde
ao poeta e suas víceras
seu odor 


Ocre cheiro do neon
entre tabaco e álcool
suor e lembrança
bonança de um perdedor
dor e rancor


- Don't try, don't try, don't try!


O amor é um cão dos infernos!


- Chuta esse traste!!! 






Torres Matrice

27/07/2011

2 comentários:

Luiza França disse...

Lindo e profundo como sempre. Adoro suas poesias. Tem cheiro, cor e textura.

Bjs
Luiza
www.barracodevidro.blgospot.com

Ana Angélica Bruni disse...

Nos sufocamos diante da dor da solidão, conviver com esta dor que nos embriaga a sensações que o corpo não deseja sentir. O poema é envolvente quando nos mostra uma pessoa que se perde em meio a solidão, que deixa de viver, quer sair desta dor, mas não suporta a perda ou o abandono de quem um dia foi tão importante.Eu achei o poema lindo, nos faz refletir. É preciso saber conviver com a dor,vencer a saudade mesmo que o nosso coração sinta o contrário, controlar nossos desejos.Parabéns eu gostei muito! abraços Torres, como sempre divina poesia.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...