segunda-feira, 21 de março de 2011

Poesia ( Como um choro de beber )




















Ela vem seguindo, vindo, indo,
perseguindo...
Obsecada em mim,
em minh'alma saturando
estertores de inspirar ação,
piração do deus thoth.
Instigando a veia avena,
o pulsar do pulso/ação,
auscultando o peito, a mente...
Mentidor dor-mente,
ente dorme,
dorme em ti.

Ela vem chegando feito febre, lebre, ébria: 
arte arde em fim de tarde,
chega fundo, chega enfim.

abstrata
trata logo de coagir.
Faz-se física dor-ideia
da ideia a dor do ato,
fogo-fátuo: parto
das ossadas que desato
em verso-estrofe
do meu ventre de palavras
como um choro de beber.







Torres Matrice


17/03/99



Postado em 21/03/2011

Um comentário:

Viviane disse...

nossaaaaaaaa ,que ougulho faser parte da sua vida,amei muito!!!!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...