sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Assim Mesmo






Caminhava pelas ruas
era inverno
tudo sublimava...
Meus olhos como nuas
duas luas tuas
vendo o que retornava:

lembrança, clara vitrine,
de uma silhueta ressurgida
fotografia noir
como se fora há pouco
tão pouco
tampouco passado

Diamante à luz, é fato!
teu olhar deixou eterno
no ceu que um dia entalhei
( também era inverno )
ombra sombra brado
assombrado
no encanto reconheci:
é o amor!

Mesmo que pueril
romântico vítreo febril...
É o amor
e eu o quero
mesmo assim!

Oh, Deus...
Assim mesmo
assim.






Torres Matrice


14/10/99

Um comentário:

Ana Angélica Bruni disse...

Lindo o poema. Falar de amor é tão bom, ultrapassa sonhos e desejos. Através das palavras o único desejo de amar, deste sentimento nobre encontrar. Torres Parabéns!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...